Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da economia analisados desagregadamente. E o pior, a queda bruta observada desta vez, alarmante por ter sido muito elevada, veio somar-se a outros números negativos antecedentes, quando se considera tanto a modalidade da Construção Imobiliária (habitacional e comercial) quanto a da Construção Pesada (obras de infraestrutura).


Essa é uma situação paradoxal, já que o Setor deveria estar se destacando justamente por um comportamento oposto ao descrito no parágrafo antecedente. No segmento imobiliário, por exemplo, além do desafio representado pela existência de um escandaloso déficit habitacional, que precisa ser enfrentado com disposição, ainda temos que atender as demandas representadas pela formação de novas famílias. Em conjunto, estima-se que teriam que ser construídos 35 milhões de moradias nos próximos 25 anos, para equacionar razoavelmente ambas as faces do problema. Em outros termos, esse ritmo de construção habitacional seria mais de duas vezes superior àquele alcançado nas épocas mais ativas do período recente (até 2013), quando o programa governamental "Minha Casa, Minha Vida" deixou importante contribuição. Paradoxo semelhante ocorre com o segmento da Construção Pesada. Temos um passivo enorme a recuperar no que concerne a depauperada infraestrutura nacional, incluindo todos os segmentos da logística, do transporte e das comunicações. Aliás, foram justamente as deficiências do país no que tange às rodovias, aos portos, aos aeroportos, à geração de energia, ao saneamento básico e a itens correlatos, os principais gargalos que travaram o nosso crescimento econômico e aceleraram a degringolada que se converteu na crise atual. O paradoxo é maior quando se observa que, apesar de toda a crise e da falta de credibilidade junto aos investidores, ainda existe um potencial razoável de financiamento para as obras de infraestrutura, que poderia ser ativado em um ambiente menos intervencionista e mais favorável aos negócios. Então, por que esses segmentos estratégicos, ao invés de contratarem, estão eliminando tantos empregos?


Essa pergunta não admite uma resposta simples e direta, dada a complexidade do conjunto da economia e a propagação das causas e efeitos desde os segmentos mais sensíveis ou menos promissores até aqueles apontados como estratégicos e relativamente bem estruturados. Mas o fato é que os efeitos da crise econômica e política que eclodiu no país acabaram por afetar indiscriminadamente todos os setores. Todos estão, em maior ou menor grau, prejudicados pelo aumento estratosférico dos juros (necessário para segurar o descontrole inflacionário, mas ainda assim, nefasto para os negócios), pelas restrições ao crédito (inevitáveis diante do aumento da inadimplência e dos riscos, mas igualmente nefastas para o consumo), pelo patamar elevadíssimo do "Custo Brasil" (potencializado pelo arrocho tributário), pela falta de segurança e de confiança dos consumidores (que paralisa as compras e negócios) e pelo descrédito do país diante dos investidores (nacionais e internacionais). Percebo também, que, além de todos esses fatores, o setor da Construção Civil foi – e ainda está sendo – vítima do "Escândalo do Petrolão", seja em função da paralisação do programa de investimentos da Petrobras (muito significativo), seja pelas providências administrativas e judiciais que acabaram por atingir as grandes empresas de construção pesada e as maiores firmas de montagem industrial. Esses problemas não deveriam estar contaminando o segmento da construção habitacional, mas o fato é que estão. E, por conta disso, um setor estratégico para alavancar a retomada do crescimento está cada vez mais manietado e menos ativo. Resta a esperança de uma reversão rápida de expectativas, como resultado das providências postas em curso pela nova equipe econômica do governo. Trata-se de uma agenda positiva a ser firmemente apoiada pelo empresariado do setor e por todos os agentes bem-intencionados deste país. Temos que eliminar, de imediato, esse absurdo paradoxo. E voltarmos rapidamente a empregar, antes que esse problema alcance proporções intratáveis.

  • COMPARTILHE:

7 comentários para "Porque a Construção continua desempregando"

Jose Rocha
Jose Rocha disse: 31 março 2015
Um belo texto que demonstra a desaceleração do crescimento economico e ja é perceptivel a volta da inflação com muita força, obrigando o agente economico familia a pisar no freio. Parabéns, pela redação do texto.
Liliam yamamoto
Liliam yamamoto disse: 31 março 2015
Boa tarde sou deficiência auditiva e gostaria me informação sobre apt minimo salario pode parcela todos mês sem entrada ? Eu quero comprar o apt para são Paulo zona norte bairro freguesia do ò.poder me ajudar
At
Liliam
Aguarda sua responde
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 07 abril 2015
Olá Liliam, para fazer uma simulação de um plano de pagamento ideal para seu perfil entre em contato pelo Chat Online 24 horas através do site MRV.com.br. Agradeço seu contato.
Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 02 abril 2015
Ótimo artigo, realidade está aí para comprovar o que foi dito.
João Marcos Góes
João Marcos Góes disse: 10 abril 2015
Olá Rubens
Acho que o desinvestimento advém de uma falta de política macroeconômica do Governo atual, especialmente. Veja a relação PIB X INVESTIMENTOS nos países vizinhos. O Peru é de 28%. O Brasil, é 18%. Além do baixo PIB baixa poupança interna e altas taxas de juros e inflação. Obrigado pelos seus seus ótimos artigos.
João Carlos Fernandes
João Carlos Fernandes disse: 26 maio 2015
O Governo preciso rever seus investimentos com urgência. Não há tolerância com mais erros econômicos.
Victor Imobiliaria
Victor Imobiliaria disse: 15 julho 2015
Acredito que os preços foram se elevando para exagerada e irresponsável oferta de credito, subsidiado pelo tesouro, levou a uma alta nos preços pela crescente demanda por imóveis, agora o que existe e um movimento normal de mercado para ajustes e estabilização, infelizmente, gera o desemprego!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »

Troca de Tecnologia

Publicado em 26 agosto 2014

7 comentários

No tópico antecedente deste blog mencionei o moderno processo de gestão, usualmente denominado de "benchmarking", para justificar a conveniência de buscar sempre exemplos vencedores, estejam eles onde estiverem, e utilizar as experiências bem-sucedidas em nosso próprio benefício, ou seja, para ajudar a resolver os problemas da realidade em que estamos inseridos. Diante das possíveis e esperadas críticas que vivem repetindo o surrado e equivocado chavão segundo o qual os problemas nacionais são...
Leia mais »