Previsões para 2013 - Economia Mundial

Publicado em 22 janeiro 2013

3 comentários

Qualquer análise prospectiva acerca do desempenho da economia mundial precisa considerar, antes de mais nada, como está distribuída a riqueza gerada anualmente no planeta. Grosso modo, o PIB mundial, da ordem de US$ 70 trilhões, apresenta uma distribuição muito concentrada em alguns polos de adensamento econômico. Conforme os grupamentos usuais nesse tipo de análise e segundo as indicações do Banco Mundial, as contribuições relativas desses polos seriam, aproximadamente: União Europeia (27 países membros) 25,3% ; EUA 21,7% ; BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) 19,2% ; Outros Emergentes (excluídos os BRICS) 13,3% ; Desenvolvidos Não Agrupados (Japão, Canadá, Suíça, Noruega e Hong Kong) 12,8% e Demais Nações 7,7%.


Na realidade, até a eclosão da crise financeira internacional de 2008, os principais motores da economia mundial vinham sendo os EUA, a União Europeia e os BRICS (com a destacadíssima participação da China), uma vez que o Japão (3° maior PIB do planeta) já se encontrava em processo de semi-estagnação. Após a crise, o dinamismo relativo de todos esses polos mudou sensivelmente. A União Europeia, além de enfrentar uma, aparentemente infindável, sucessão de problemas econômicos, fiscais e políticos entre os seus países membros, não consegue, em conjunto, afastar o fantasma da recessão continental. Até mesmo a forte economia alemã já vem apresentando sintomas de arrefecimento e pode amargar uma taxa de crescimento muito pequena em 2013. Os analistas especializados são céticos quanto a qualquer mudança significativa no panorama da economia do bloco, no curto prazo, o que indica que o motor europeu deve permanecer desligado no corrente exercício.


Pelo lado do motor norte-americano, as perspectivas são mais otimistas. Alguns sinais de saída da crise já são visíveis nos EUA e existem indicações de que o PIB daquele país poderá crescer, em 2013, mais de 2%. Evidentemente, os reflexos da retomada de crescimento na economia dos EUA, caso esta se confirme, poderão ser muito positivos para toda a comunidade internacional de países, dado o porte da sua participação relativa, tanto na produção de riquezas, como no volume de trocas e comércio. Mas, essa perspectiva, sozinha, não será suficiente para empurrar a economia global de volta às taxas de crescimento que prevaleciam antes da crise de 2008.


De sua parte, os BRICS também enfrentarão dificuldades e, com grande probabilidade, apresentarão, em 2013, taxas de crescimento inferiores às de 2012. Os números recentes das duas maiores economias desse grupo (China e Brasil) parecem ser indícios claros dessa tendência. Para os efeitos práticos da análise prospectiva, pode ser considerado que o motor deste bloco estará funcionando e contribuindo para alavancar o conjunto da economia mundial, mas com força significativamente menor do que a que vinha sendo desenvolvida em anos anteriores.


Em resumo, as perspectivas para o crescimento da economia global neste ano de 2013 não são muito animadoras e, a menos que ocorra alguma modificação imprevista e inesperada, o mundo deverá crescer em ritmo mais lento do que vinha crescendo. Paradoxalmente, existe um elevadíssimo estoque de capital no conjunto da economia mundial, à busca de boas e seguras oportunidades de aplicação. Essa é uma variável que pode se tornar muito importante, já que os investimentos que esses capitais possibilitariam seriam capazes de alavancar o crescimento de regiões selecionadas ou daquelas que souberem criar as condições necessárias à sua atração. O sucesso nessa disputa, ao longo de 2013, poderá resultar, inclusive, em modificações significativas nas posições relativas de países, regiões e agrupamentos no conjunto da economia global.

  • COMPARTILHE:

3 comentários para "Previsões para 2013 - Economia Mundial"

aline
aline disse: 25 março 2013
é muito bom sabre qUE VCS AINDA CUIDA DA NASSA HISTORIas artigas
Crise Empresarial
Crise Empresarial disse: 17 abril 2014
Muito bom! Me ajudou bastante na minha pesquisa. Parabens e continue postando coisas do tipo. Inflação e PIBinho fazem de 2014 um ano dificil para quem produz.
http://intoo.com.br/blog/alienacao-fiduciaria-aval-e-fianca/
Muito bom! Me ajudou bastante na minha pesquisa. Parabens e continue postando coisas do tipo. Inflação e PIBinho fazem de 2014 um ano dificil para quem produz.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »