Quanto nos custam os paraísos fiscais

Publicado em 14 outubro 2015

2 comentários

Embora os economistas façam uma distinção conceitual entre capital, trabalho, terra, recursos naturais, meios ou fatores de produção, capital humano, capital intelectual, capital financeiro e muitas outras variáveis sociológicas ou econômicas, para os efeitos práticos da abordagem simplificada que pretendo esboçar neste tópico, vou adotar definições mais resumidas e mais genéricas para todas elas.


Com esse propósito, podemos aceitar o entendimento de que todos os fatores econômicos (terra, força humana, máquinas, etc.) são meios potenciais de produção que se convertem automaticamente em meios efetivos de produção quando postos a funcionar com o propósito específico de gerar bens e serviços com valor financeiro próprio para troca ou aquisição e, ainda, para a simples geração de renda. Mas, nem todos os bens ou serviços produzidos segundo esse processo simplificado costumam ser consumidos ou usufruídos de imediato. Pela tendência natural de poupança ou acumulação da sociedade e dos proprietários, parte dessa produção é reservada para aumentar a capacidade futura, transformando-se em novas máquinas, instalações, terras ou terrenos mais desenvolvidos, em capital financeiro ou em outros estoques de riqueza. Com o girar dessa roda as necessidades humanas vão sendo atendidas com maior ou menor eficiência e rapidez, conforme o dinamismo de cada economia e sua capacidade de mobilizar os fatores de produção de acordo com a estratégia desejável em cada estágio.


Entre as necessidades básicas das sociedades está a de custeio e manutenção do próprio aparato dos respectivos Estados, de forma a garantir, entre outras coisas, a segurança (interna e externa), a representação internacional, a administração da justiça, as ações de saúde pública e de incentivo à educação, etc. O custeio desse aparato é feito pela tributação das pessoas produtivas, dos proprietários, dos usufrutuários dos mecanismos de aposentadoria e pensão, e dos capitais financeiros. Em outros termos, o custeio do aparato de Estado estará sempre sendo feito pela apropriação de parte do trabalho realizado pelos cidadãos, proprietários ou não, no presente (salários, rendas, benefícios, etc.) ou no passado (capital acumulado, propriedades, bens de produção, etc.), para não mencionar as formas mais diretas de arrecadação coercitiva (força de trabalho convocada para as forças armadas, durante guerras ou outros episódios desse tipo, ou até mesmo pelo trabalho obrigatório e não remunerado em mesas eleitorais, nos tribunais de juri ou em tarefas semelhantes).


Mencionei esse quadro para focar, com mais objetividade, os efeitos nocivos da transferência de capitais financeiros para os assim chamados "paraísos fiscais". A Receita Federal brasileira relacionou, oficialmente, um conjunto de quase 50 países ou regiões autônomas (distribuídos pelo Caribe, Europa, Ásia e África) enquadrados nessa denominação geral, seja por não exigirem identificação dos acionistas de empresas "offshore", seja por taxarem os respectivos capitais financeiros com níveis muito baixos de tributação. Esses paraísos são utilizados por criminosos e quadrilhas que buscam lavar dinheiro obtido em atividades ilícitas ou, como é mais freqüente, por espertalhões que visam esconder da tributação parte dos seus capitais ou riquezas acumuladas. Quero focar, exatamente, essa última modalidade.


A necessidade de custeio do Estado, em determinada época ou circunstância, é a mesma, qualquer que seja o número de trabalhadores ou o montante do capital acumulado existente na nação. No entanto, se tributados apenas os valores visíveis (força de trabalho e riqueza acumulada), as taxas de contribuição destes será forçosamente maior do que a que poderia resultar de uma cobrança equânime (incluindo os capitais furtivos que se escondem nos paraísos fiscais). Ou seja, no quadro real, uma parcela maior do trabalho dos contribuintes, esforço atual (salários, rendas e benefícios) ou esforço passado (riqueza acumulada), estará sendo exigida apenas para compensar a malandragem dos capitais fugidios. A injustiça não acaba aí. Com a taxação diferenciada, os capitais do bem (regularmente demonstrados e contabilizados segundo as regras nacionais) competirão em desvantagem com os capitais do mal (aqueles escondidos pelos espertalhões nos paraísos fiscais e internalizados aqui nas oportunidades de investimento que se oferecem).


Esse é um assunto que tem escapado às análises econômicas mais corriqueiras e, até mesmo, das fontes bibliográficas internacionais de referência. Ausência especialmente notada na obra recente do francês Thomas Piketty: "O Capital no Século XXI". A crise em que estamos mergulhados me parece a oportunidade exata para que se impeça a ação franca e desimpedida dos capitais do mal, que acaba prejudicando o ambiente de negócios do País e a necessária contribuição dos capitais financeiros regulares para a retomada do crescimento econômico.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Quanto nos custam os paraísos fiscais "

Paulo Maciel
Paulo Maciel disse: 28 outubro 2015
Muito bom. Estou copiando para repassar aos meus alunos.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 23 novembro 2015
Olá Paulo, agradeço o acompanhamento e participação no Blog.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »