Reflexões Sobre os Impostos

Publicado em 29 março 2016

2 comentários

A aguda crise econômica atual trouxe a questão tributária nacional para o centro das discussões políticas, seja no âmbito das instituições representativas e demais foros da sociedade organizada, seja nas manifestações pessoais feitas informalmente nos locais de trabalho ou no ambiente doméstico. Pelo menos, para a parcela dos brasileiros que se enxergam como contribuintes e que têm uma percepção mais clara de como ocorre o financiamento das atividades de governo. O descontrole das contas públicas e o crescente déficit fiscal que caracterizam a crise atual têm feito com que o Estado manipule alíquotas, objetos de incidência, faixas de progressão e outros mecanismos que independem de autorização legislativa e que podem produzir algum alívio fugaz diante da incapacidade momentânea de proposições reformistas e estruturantes de longo termo ou da falta de vontade política para ajustar as despesas ao tamanho das efetivas disponibilidades financeiras. O Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário – IBPT estima que o brasileiro médio já compromete, atualmente, cerca de 40% dos seus salários e ganhos com o pagamento de impostos, taxas e contribuições diversas, fora o descontrolado aumento da enorme dívida pública feita em seu nome e que ele terá que pagar no futuro. Esse quadro produz angústia e ansiedade naqueles que conseguem percebê-lo em toda a sua perversa amplitude. Mas, quantos são estes?
Infelizmente, não são tantos quantos deveriam ser. Grande parte dos brasileiros desconhece, mesmo rudimentarmente, os mecanismos que garantem o financiamento do Estado e possibilitam o custeio da respectiva máquina pública e, por isso mesmo, são pegos desprevenidos pelos efeitos das crises e pelos perversos processos que lhes subtraem a renda, lhes tiram os empregos, lhes exigem maior sacrifício como contribuintes ou os transformam em inadimplentes. Muitos, ingenuamente, acreditam que não pagam impostos e, por isso mesmo, não se importam com a sua exagerada elevação. Outros, ainda em maior número, acreditam que o Estado fabrica dinheiro e que, se bem governado, poderá distribuir os recursos fabricados para atender a justa necessidade de todos, sem se darem conta de que cada qual, sempre, terá que contribuir com mais do que recebe de volta, já que o processo tem as suas próprias e inevitáveis perdas de carga (algumas localizadas, como a corrupção, outras difusas, como o custo operacional da máquina). Algumas poucas tentativas cientificamente organizadas ou conduzidas de modo sistemático possibilitaram identificar a natureza e a amplitude da percepção dos brasileiros no que diz respeito à relação destes com os impostos. Entre essas, merece especial destaque a "Pesquisa de Percepção da Política Fiscal Brasileira" publicada em Junho de 2010 pela ESAF – Escola de Administração Fazendária, órgão subordinado ao Ministério da Fazenda, principalmente pela sua abrangência espacial e amostral (2016 entrevistas em 336 municípios adequadamente selecionados). Apesar da pequena desatualização que apresenta, especialmente diante da evolução acelerada da nossa dinâmica política e econômica atual, vale a pena examinar alguns pontos identificados no mencionado Estudo.
De início, há que se observar que apenas 69% dos brasileiros entrevistados sabiam que pagavam impostos. 30% desse mesmo universo afirmaram que não pagavam qualquer tipo de imposto, desconhecendo aqueles tributos indiretos que já estão embutidos nos preços dos bens ou serviços adquiridos. Mesmo entre os que reconheciam a existência da tributação, grande parte somente conseguia se lembrar de tributos com aplicação direta: IPTU (47,8%); IPVA (25,4%); e IR (25,3%). No entanto, e essa foi uma descoberta notável mesmo no nível elevado de desinformação do universo estudado, mais da metade dos entrevistados (53,7%) não estaria disposta a pagar mais imposto em troca de melhores serviços públicos, o que mostra, intuitivamente, o alcance do nível de saturação da carga tributária. Em termos bem simples, pode-se observar que a sociedade não quer aumento na tributação, mesmo que esse seja condição necessária para melhorar a qualidade e a abrangência dos serviços públicos colocados à disposição da população. Qualquer política governamental em desacordo com essa manifestação pública preponderante estaria sendo formulada, portanto, em bases pouco democráticas ou teria, no mínimo, viés paternalista. Esse aspecto merece ser examinado em concurso com outra conclusão importante do mesmo Estudo: 72% dos entrevistados entendem que a quantidade de recursos transferidos pela sociedade para o Estado é suficiente para o bom cumprimento das funções esperadas do governo.
Não seria absurdo imaginar que, após a intensa exposição recente dos episódios de corrupção identificados na Operação Lava-Jato, as conclusões finais indicadas no parágrafo precedente seriam ainda mais pronunciadas se a pesquisa tivesse sido feita na época atual. Da mesma forma, também não seria absurdo imaginar que, com os sacrifícios impostos atualmente à sociedade – que trata de administrar avaramente os 60% da renda que ainda ficam em seu poder – ficaria também mais nítida a percepção de que o governo deveria melhor cuidar dos 40% da renda que lhe é compulsoriamente transferida.
  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Reflexões Sobre os Impostos"

Leandro Campos
Leandro Campos disse: 30 março 2016
Infelizmente o que vemos é o ministro da fazenda pedindo autorização para o congresso para aumentar o déficit fiscal para R$ 96 bilhões este ano.
A crise econômica está ligada à crise política e, segundo Delfin Netto não há projeção de melhora para este ano.
Fernando Machado Lemes
Fernando Machado Lemes disse: 02 abril 2016
Parabens! Excelente artigo!
Minha opiniao é que os politicos devereriam se envergonhar de falar de aumento de impostos, porque nao sera para gerar nenhum beneficio para a populaçao, mas sim para cobrir o prejuizo causado pela ma gestao dos recursos publicos e por esta corrupçao generalizada. Esta geraçao de politicos esta perdida, temos que protestar para nao deixar que eles mergulhem de vez o País no caos economico e torcer para que a proxima geraçao tenha lideres integros, eticos e comprometidos com o bem publico.
Sonhar nunca é demais!!! Que Deus nos ajude!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »

Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a...
Leia mais »