Renda Per Capita: Um Indicador Real?

Publicado em 03 junho 2014

2 comentários

Há pouco tempo, desenvolvi neste blog uma série de dois tópicos sob o título: "Dificuldades na Comparação do PIB", na qual, entre outras coisas, pretendi mostrar algumas peculiaridades das metodologias de calculo do PIB – Produto Interno Bruto e, por conseqüência, as dificuldades que costumam surgir quando se tenta comparar diretamente os dados de diferentes países ou regiões. Destaquei, especialmente, a metodologia alternativa que vem sendo aplicada recentemente pelo Banco Mundial para esse tipo de contabilização e que recebeu a denominação de "PPC – Paridade de Poder de Compra".


Calculado desta forma, o PIB global, ou seja, de todos os países juntos, alcançou US$ 90 trilhões ao invés dos US$ 70 trilhões determinados pelos métodos convencionais usados anteriormente. Da mesma forma, com a mudança na metodologia de cálculo, a renda per capita média mundial evoluiu de US$ 10.500,00 para US$ 13.500,00. No nosso caso, a renda anual média do brasileiro passou de US$ 12.874,00 (segundo o critério convencional) para US$ 14.639,00 (pelo critério PPC). Na prática, considerada a população nacional como sendo de 192,38 milhões de habitantes, as duas estimativas corresponderiam à utilização, respectivamente, de taxas de câmbio de 1,67 Real por Dólar ou de 1,47 Real por Dólar. Invertendo-se o sentido da conversão cambial equivalente, a renda per capita anual dos brasileiros seria de R$ 21.500,00 (critério PPC) ou de R$ 18.925,00 (critério convencional), tudo referente ao exercício de 2011, divulgado no Relatório do Banco Mundial.


No entanto, qualquer brasileiro que ganhe, por ano, rendimento salarial da ordem de R$ 18.925,00 ou de R$ 21.500,00, ainda que não entenda bem as razões, sabe que, na realidade, disporá de quantia muito menor do que essas para comprar os seus itens de consumo ou até mesmo para poupar ou investir. A explicação é simples: boa parte da sua renda ficará retida para pagar os impostos e taxas governamentais. Simplificadamente, sem considerar a carga tributária efetiva nesta classe de renda (já que essa taxa é relativamente inelástica) e utilizando a incidência padrão, o brasileiro médio teria sido desfalcado em cerca de R$ 8.000,00. Ou seja, após esse desconto compulsório e inevitável, o brasileiro médio poderia contar com uma renda efetiva da ordem de R$ 12.500,00 por ano.


Fiz o exercício aritmético simplificado do parágrafo anterior apenas para enfatizar que, também no caso da renda per capita, é muito difícil comparar situações de países distintos, principalmente quando estes países praticam políticas tributárias muito diferentes. E, nesse particular, ou seja, pelo nível de renda média de cada país, o Brasil ocupa uma posição extrema, com a maior taxa tributária de todas. Em outros termos, pagamos impostos de primeiríssimo mundo enquanto auferimos rendas de simples país emergente. Aliás, isso não costuma ser de conhecimento geral e ainda espanta a muitos: em todo o mundo, apenas 15 países têm PIB (todas as riquezas produzidas) superior ao total de impostos arrecadados pelo Brasil. Se o cofre tributário nacional fosse um país, ele estaria situado na 16ª posição do ranking mundial de PIBs.


Essa constatação me parece muito importante porque, assim como o PIB, a renda per capita também é um indicador muito utilizado no cotejo com outros países e no planejamento nacional (político e econômico). Decisões importantes têm sido tomadas com base nesses índices ou justificadas por comparações dessas grandezas entre vários países. Algum mecanismo de fácil aplicação precisa ser desenvolvido, reconhecido oficialmente e incorporado às técnicas de planejamento econômico para evitar que distorções originadas da simples importação de parâmetros e diretrizes acabem contaminando a elaboração das políticas de Estado, no Brasil.


Para concluir, a renda per capita, da forma em que é estimada, não é um indicador confiável para a realidade nacional, apesar do seu largo e difundido uso. Quando o Estado não oferece e nem garante, de modo satisfatório, os serviços de segurança pública, saúde, educação e outros benefícios esperados como contrapartida natural pelo pagamento dos elevadíssimos impostos, o contribuinte nacional estará obrigado a custeá-los duas vezes, ao contratá-los novamente com fornecedores privados ou, simplesmente, ao deixar de tê-los e de exigi-los por impossibilidade financeira.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Renda Per Capita: Um Indicador Real?"

Girlan Gonçalves da Silva Gomes
Boa Tarde Rubens Menin.
Muito bem notado a sua enfase, gostei muito, e como já tinha notado, realmente o Brasil é um dos país que mais cobra Imposto do mundo, como se fosse país de primeiro mundo, com o dinheiro que é arrecadado de imposto, poderia e deveria melhorar a saúde pública, educação e o transporte público, assim todos nós Brasileiro teria orgulho desse País. Agora como se orgulha de um país onde é conhecido somente por "País do futebol e festa". Isso foi dito pelos os estrangeiros entrevistado, é triste, mas é a verdade que vivemos.
Bruno Xavier
Bruno Xavier disse: 05 junho 2014
De onde exatamente o senhor tira os dados que mostram que o Brasil "tem a maior taxa tributaria de todas"?

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »