Segurança Jurídica na Terceirização

Publicado em 12 setembro 2013

5 comentários

A Construção Civil, principalmente no segmento habitacional, como todos os setores econômicos que utilizam intensivamente a mão de obra, se ressentem, no Brasil, da existência de um ambiente legal com muitas incertezas no que diz respeito à prática da terceirização de serviços.


A mecanização dos canteiros, com a utilização de tecnologias e equipamentos modernos, foi a responsável principal pelo significativo aumento de produtividade observado nos últimos anos no segmento de Edificações. No entanto, esses mesmos fatores passaram a exigir procedimentos cada vez mais complexos e especializados, que só costumam ser adequadamente equacionados com a terceirização ou com o aumento do nível de subcontratação dos serviços.


Essa evolução nas práticas de gestão, conquanto tenha sido bem absorvida em quase todos os países nos quais a Construção Civil se desenvolve em maior escala, vem gerando um significativo potencial de controvérsia entre nós. Posições divergentes ocorrem, principalmente, no âmbito das relações trabalhistas e, não raro, incluem posicionamentos conflitantes entre as instâncias do judiciário, do Ministério Público do Trabalho, das repartições do poder executivo, dos sindicatos, das associações empresariais e das demais partes interessadas. Ao mesmo tempo, iniciativas destinadas a clarear o ambiente legal nesse particular, estabelecendo dispositivos precisos e modernos na regulamentação dessa matéria arrastam-se por longo período e não são convertidas em instrumentos efetivos, como é o caso, por exemplo, do Projeto de Lei n° 4.330, que está em tramitação no Congresso Nacional desde 2004. Esse cenário confuso e polêmico acaba por gerar grande insegurança jurídica aos agentes econômicos do setor, que muitas vezes têm que buscar a manifestação final do poder judiciário diante de ações ativadas pelas instâncias administrativas, que adotam interpretações conflitantes ou distintas dos mesmos conceitos legais.


A MRV firmou a convicção de que não existe nada pior do que a insegurança jurídica e a falta de consenso conceitual por parte de todos os interessados. Mesmo a adoção de interpretações legais menos eficazes ou mais onerosas, porém definitivas e reconhecidas por todos, é melhor do que a insistência na busca de direitos ou possibilidades que possam ser revogados ou contestados juridicamente. Essa convicção tem balizado as opções da empresa em tudo o que diz respeito à busca de um ambiente ético, justo e respeitoso nas relações trabalhistas e, acima de tudo, harmônico para que possa ser juridicamente seguro. Essa filosofia de gestão já tinha levado a MRV a ser pioneira na adesão ao "Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção", fato amplamente noticiado.


Idêntica vontade repetiu, mais uma vez, esse pioneirismo. Ao firmar com o Ministério Público do Trabalho, em Brasília, no último dia quatro de setembro e após longa negociação, acordo de âmbito nacional para regular as práticas de terceirização, a MRV passou a ser a primeira empresa brasileira do segmento habitacional a adotar espontaneamente compromissos permanentes e definitivos de conduta nesse particular. Foi uma oportunidade singular, não só pela circunstância de colocar um ponto final sobre longas pendências judiciais e administrativas, com a extinção das ações ajuizadas contra a empresa pelo Ministério Público do Trabalho, como também, e principalmente, por criar um paradigma que poderá ser estendido, por adesão, a todo o setor de construções habitacionais, até que ele venha a ser definitivamente regulamentado em lei.


Esse último aspecto é extremamente positivo do ponto de vista da segurança jurídica. Sabemos agora, com precisão, quais são as atividades que podem e as que não podem ser subempreitadas ou terceirizadas. Não haverá mais surpresas ou divergências nas interpretações legais desse assunto. Nem haverá mais espaço para estardalhaço jornalístico sobre ações administrativas cujo conteúdo é frequentemente mal compreendido.  Mas, além disso, a assinatura do acordo representou, também, a oportunidade para a ativação de outras providências importantes para a empresa, incluindo o compromisso de aplicar R$ 6,8 milhões em programas de assistência social, priorizando o apoio financeiro a projetos de grande alcance, como o de combate à violência sexual contra crianças e adolescentes e de erradicação do trabalho infantil, por exemplo.

  • COMPARTILHE:

5 comentários para "Segurança Jurídica na Terceirização "

werbeth
werbeth disse: 24 setembro 2013
CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO
Não houve resposta quanto o caso do sucesso da empresa estar na sua capacidade de criar novo conhecimento e difundido na organização como um todo,resultando em constantes inovações em seus produtos,serviços e sistemas gerencias.
Apenas 16,67% a firma que o sucesso da empresa esta na capacidade em transferir e adaptar conhecimento E 33,33% confirma que embora a empresa valorize a capacidade de criar,transferir e adaptar conhecimento o sucesso da empresa não esta baseado nesta area.
werbeth mrv
werbeth mrv disse: 24 setembro 2013
CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO
Não houve resposta quanto o caso do sucesso da empresa estar na sua capacidade de criar novo conhecimento e difundido na organização como um todo,resultando em constantes inovações em seus produtos,serviços e sistemas gerencias.
Apenas 16,67% a firma que o sucesso da empresa esta na capacidade em transferir e adaptar conhecimento E 33,33% confirma que embora a empresa valorize a capacidade de criar,transferir e adaptar conhecimento o sucesso da empresa não esta baseado nesta area.
werbeth ribeiro
werbeth ribeiro disse: 24 setembro 2013
CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO
Não houve resposta quanto o caso do sucesso da empresa estar na sua capacidade de criar novo conhecimento e difundido na organização como um todo,resultando em constantes inovações em seus produtos,serviços e sistemas gerencias.
Apenas 16,67% a firma que o sucesso da empresa esta na capacidade em transferir e adaptar conhecimento E 33,33% confirma que embora a empresa valorize a capacidade de criar,transferir e adaptar conhecimento o sucesso da empresa não esta baseado nesta area.
werbeth ribeiro dos inocentes
werbeth ribeiro dos inocentes disse: 24 setembro 2013
CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO
Não houve resposta quanto o caso do sucesso da empresa estar na sua capacidade de criar novo conhecimento e difundido na organização como um todo,resultando em constantes inovações em seus produtos,serviços e sistemas gerencias.
Apenas 16,67% a firma que o sucesso da empresa esta na capacidade em transferir e adaptar conhecimento E 33,33% confirma que embora a empresa valorize a capacidade de criar,transferir e adaptar conhecimento o sucesso da empresa não esta baseado nesta area.
werbethmrv
werbethmrv disse: 24 setembro 2013
CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO
Não houve resposta quanto o caso do sucesso da empresa estar na sua capacidade de criar novo conhecimento e difundido na organização como um todo,resultando em constantes inovações em seus produtos,serviços e sistemas gerencias.
Apenas 16,67% a firma que o sucesso da empresa esta na capacidade em transferir e adaptar conhecimento E 33,33% confirma que embora a empresa valorize a capacidade de criar,transferir e adaptar conhecimento o sucesso da empresa não esta baseado nesta area.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »