Tirando Proveito do Capital Externo

Publicado em 05 novembro 2013

4 comentários

Esse é um assunto a que atribuo grande importância e para desenvolvê-lo basta responder três perguntas simples: O que é o Capital Externo?; Quem precisa dele? e; Como atraí-lo?


O Capital Externo, em sua essência, é o resultado da poupança de pessoas residentes no exterior, é o resultado da operação exitosa de empresas sediadas no exterior, é o saldo positivo do comércio internacional de outras nações, é o resultado conversível em moeda divisionária decorrente das atividades produtivas controladas pelos governos de outros países ou, ainda, a parte utilizável das reservas internacionais acumuladas por qualquer nação. No entanto, por simplificação e para os efeitos práticos do presente tópico, podemos considerar que o Capital Externo seja apenas uma expressão da poupança internacional acumulada por pessoas, empresas e governos.


Quem precisa do Capital Externo? – Todo mundo. Ou pelo menos os países que querem dinamizar as suas economias através do investimento, em busca do aumento da produção e da competitividade, da incorporação de tecnologias mais avançadas e da implantação de itens mais eficientes e seguros de infraestrutura. Em resumo, este é um meio indispensável para o desenvolvimento econômico e social, principalmente em países com baixa taxa de poupança ou de formação de capital interno próprio (como é o nosso caso).


Se esse tipo de recurso é indispensável para o desenvolvimento nacional, como podemos atraí-lo nas quantidades necessárias? Em primeiro lugar, e felizmente, é preciso reconhecer que este é um recurso abundante e relativamente farto. No entanto, por outro lado, o Capital Externo é um recurso extremamente disputado por toda a comunidade internacional de países e, por consequência, passou a ser muito criterioso e seletivo na busca de boas oportunidades de aplicação.


Na realidade, o Brasil vem atraindo uma boa quantidade desses recursos, sendo que a contabilidade nacional registrou, no primeiro semestre deste exercício, a entrada de capitais externos da ordem de US$ 30 bilhões apenas na forma de IED – Investimento Estrangeiro Direto. Esse fluxo representou um aumento de quase 4% em relação ao primeiro semestre de 2012 e constituiu-se em elemento fundamental para o equilíbrio das nossas contas externas nessa fase de mau desempenho. Esse é um resultado que pôde ser alcançado por conta de algumas boas credenciais que o Brasil tem apresentado nessa competição internacional por capitais externos: estrutura política estabilizada e democrática, a inflação sob razoável controle, mercado interno de grande dimensão e em processo de crescimento, bom nível de exportação de commodities estratégicas, etc.


No entanto, essas boas credenciais parecem não ser suficientes para sustentar a nossa atratividade no futuro imediato. O Capital Externo está cada vez mais exigente quanto ao ambiente econômico, jurídico e institucional dos países candidatos a recebê-lo. Há uma grande aversão dos investidores internacionais para com a insegurança jurídica dos contratos e do ambiente econômico em geral, resultante de sucessivas mudanças legais e regulatórias e das intervenções frequentes do Estado na economia. Além disso, há uma explícita condenação, por parte dos gestores externos desses capitais, da baixa eficiência nacional, do nosso modelo excessivamente burocrático e hostil aos negócios e dos efeitos do Custo Brasil (principalmente os decorrentes da infraestrutura precária), que acabam por aumentar todos os custos de produção, prejudicando a nossa competitividade internacional. Precisamos nos aplicar na correção desses fatores, para retomarmos a nossa trajetória de crescimento e prosperidade, tirando proveito do melhor catalizador disponível: o Capital Externo.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Tirando Proveito do Capital Externo"

José de Souza (Rabelo) Araujo
José de Souza (Rabelo) Araujo disse: 05 novembro 2013
TEMA QUE GOSTO EM FALAR SEMPRE EM FAMÍLIA,ENTRE AS TRÊS PERGUNTAS EU FALARIA QUE O PAIS SÓ SE EVOLUI EM PRODUZIR, É CRIANDO TODOS RECURSOS A FAZER O QUE TEM EM MÃOS ENTÃO SÃO VALORES AUTENTICO LUCROS EM TODOS SEGUIMENTOS TEUS,"APOS" TODO ESTE DESEMPENHO DE POSSE VALORE REAIS,A SABEDORIA EMPREGAR GANHOS REAIS EM PAIS EM QUE VALORIZE OS VALORES MONETÁRIOS,FALANDO ATE MESMO PEQUEMOS VALORES EM APLICAÇÃO,ACREDITO QUE O PAIS QUE VALORIZA SUAS RAÍZES E MANIPULA SEUS FEITOS EM SUAS MATÉRIAS PRIMA E SE CONCENTRADO EM SEUS FEITOS SERÃO MAIS VITORIOSOS MONETA-RIALMENTE. ABRAÇOS E FICO SEMPRE A TENTO A SEU BLOG,OBRIGADO BOM DIA SENHOR RUBENS.
Jose de Souza Rabelo Araujo
Jose de Souza Rabelo Araujo disse: 05 novembro 2013
TEMA QUE GOSTO EM FALAR SEMPRE EM FAMÍLIA,ENTRE AS TRÊS PERGUNTAS EU FALARIA QUE O PAIS SÓ SE EVOLUI EM PRODUZIR, É CRIANDO TODOS RECURSOS A FAZER O QUE TEM EM MÃOS ENTÃO SÃO VALORES AUTENTICO LUCROS EM TODOS SEGUIMENTOS TEUS,"APOS" TODO ESTE DESEMPENHO DE POSSE VALORE REAIS,A SABEDORIA EMPREGAR GANHOS REAIS EM PAIS EM QUE VALORIZE OS VALORES MONETÁRIOS,FALANDO ATE MESMO PEQUEMOS VALORES EM APLICAÇÃO,ACREDITO QUE O PAIS QUE VALORIZA SUAS RAÍZES E MANIPULA SEUS FEITOS EM SUAS MATÉRIAS PRIMA E SE CONCENTRADO EM SEUS FEITOS SERÃO MAIS VITORIOSOS MONETA-RIALMENTE. ABRAÇOS E FICO SEMPRE A TENTO A SEU BLOG,OBRIGADO BOM DIA SENHOR RUBENS.
Jose Souza Rabelo Araujo
Jose Souza Rabelo Araujo disse: 05 novembro 2013
TEMA QUE GOSTO EM FALAR SEMPRE EM FAMÍLIA,ENTRE AS TRÊS PERGUNTAS EU FALARIA QUE O PAIS SÓ SE EVOLUI EM PRODUZIR, É CRIANDO TODOS RECURSOS A FAZER O QUE TEM EM MÃOS ENTÃO SÃO VALORES AUTENTICO LUCROS EM TODOS SEGUIMENTOS TEUS,"APOS" TODO ESTE DESEMPENHO DE POSSE VALORE REAIS,A SABEDORIA EMPREGAR GANHOS REAIS EM PAIS EM QUE VALORIZE OS VALORES MONETÁRIOS,FALANDO ATE MESMO PEQUEMOS VALORES EM APLICAÇÃO,ACREDITO QUE O PAIS QUE VALORIZA SUAS RAÍZES E MANIPULA SEUS FEITOS EM SUAS MATÉRIAS PRIMA E SE CONCENTRADO EM SEUS FEITOS SERÃO MAIS VITORIOSOS MONETA-RIALMENTE. ABRAÇOS E FICO SEMPRE A TENTO A SEU BLOG,OBRIGADO BOM DIA SENHOR RUBENS.
Rabelo
Rabelo disse: 05 novembro 2013
TEMA QUE GOSTO EM FALAR SEMPRE EM FAMÍLIA,ENTRE AS TRÊS PERGUNTAS EU FALARIA QUE O PAIS SÓ SE EVOLUI EM PRODUZIR, É CRIANDO TODOS RECURSOS A FAZER O QUE TEM EM MÃOS ENTÃO SÃO VALORES AUTENTICO LUCROS EM TODOS SEGUIMENTOS TEUS,"APOS" TODO ESTE DESEMPENHO DE POSSE VALORE REAIS,A SABEDORIA EMPREGAR GANHOS REAIS EM PAIS EM QUE VALORIZE OS VALORES MONETÁRIOS,FALANDO ATE MESMO PEQUEMOS VALORES EM APLICAÇÃO,ACREDITO QUE O PAIS QUE VALORIZA SUAS RAÍZES E MANIPULA SEUS FEITOS EM SUAS MATÉRIAS PRIMA E SE CONCENTRADO EM SEUS FEITOS SERÃO MAIS VITORIOSOS MONETA-RIALMENTE. ABRAÇOS E FICO SEMPRE A TENTO A SEU BLOG,OBRIGADO BOM DIA SENHOR RUBENS.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »