Valorização e Desvalorização de Imóveis

Publicado em 23 julho 2013

4 comentários

Os fatores que fazem com que algumas áreas urbanas se valorizem muito enquanto outras apresentam grande desvalorização são muito diversos daqueles que prevaleciam décadas atrás. Os centros das cidades (ou o hipercentro, como costumam ser chamados nas grandes metrópoles) são um exemplo nítido dessa mudança de paradigma. Houve época em que essas regiões centrais eram muito valorizadas e a maioria das pessoas as considerava como as áreas ideais para se viver dentro de uma cidade grande. Era ali que se encontrava o bom comércio, as áreas de lazer, o transporte fácil, as diversões e a segurança. Isso mudou e, por maior que seja o esforço ativado pelas administrações municipais em dispendiosos programas de recuperação ou revitalização dos centros urbanos, em quase todas as metrópoles o processo de desvalorização imobiliária persiste ou se acentua nas áreas centrais.


Na realidade, podemos considerar que dentro de cada cidade, pelo menos nas de porte médio ou grande, existem, atualmente, diversos pólos ou centros de valorização imobiliária. São as regiões que reúnem os atributos exigidos pelas pessoas para que possam usufruir uma melhor qualidade de vida. Em geral, esse conjunto de atributos prioriza a segurança pública (baixa criminalidade), a existência de comércio diversificado (quase sempre representado pela presença de shopping centers), a facilidade de transporte entre os núcleos residenciais e os locais de trabalho, a disponibilidade de infraestrutura (incluindo sistema viário, saneamento, energia e comunicações), a ausência de poluição e de ruído, o acesso dos distribuidores domiciliares de serviços e facilidades, a proximidade de unidades escolares e outros fatores que garantem a valorização imobiliária como resultado da preferência na demanda. As outras regiões das cidades sofrem uma espécie de esvaziamento centrífugo e, por conseqüência, uma desvalorização imobiliária progressiva, com a perda de preferência das pessoas como locais procurados para viver e criar as famílias.


Essa mudança de paradigma resultou, direta ou indiretamente, do intenso processo de urbanização pelo qual o país vem passando nas últimas décadas e que acabou sendo responsável por apresentarmos, hoje, uma das maiores taxas de concentração demográfica urbana do mundo (84,9% da população nacional, ou seja, cerca de 166 milhões de pessoas). As conseqüências sociológicas e urbanísticas desse processo são visíveis e variam muito pouco de uma cidade para outra. A intensificação do favelamento e da ocupação habitacional de baixo padrão (tanto nas periferias quanto nas áreas centrais) ajudou a adensar a criminalidade e deslocar as preferências habitacionais, sendo que esse processo acabou por alcançar, também, as procuras de novos locais para a concentração de núcleos comerciais especializados (escritórios, regiões médicas, setor de serviços pessoais, etc.). O fato é que, hoje, observa-se uma variabilidade cada vez maior no preço de referência imobiliária entre as diversas regiões de uma mesma cidade.


Decidi abordar este tema, mesmo que resumidamente, por considerar a importância essencial de que o desenvolvimento urbanístico (em toda a sua complexidade) venha a ser adequadamente tratado no âmbito da formulação de políticas de Estado para o setor da habitação. Não se trata apenas de garantir a construção de moradias, mas, também, de construí-las em conformidade com as preferências, hábitos e exigências locacionais de quem vai habitá-las. Se não fosse por outros motivos, quando nada para evitar-lhes a desvalorização e a perversa perda patrimonial que costuma alcançar, justamente, quem não pode se proteger do processo.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Valorização e Desvalorização de Imóveis"

Victor Dahan
Victor Dahan disse: 23 julho 2013
Lendo este artigo, lembrei-me , quando pequeno, e lá se vão mais de 50 anos, passando férias em Juiz de Fora , MG, conheci dois senhores. Faziam projetos urbanísticos ( não esqueço das plantas) para construção de moradias com todas as necessidades da época( igreja, escola,hospital,etc...), constituindo mini-cidades fora do eixo daquelas já estabelecidas. Possivelmente seriam embriões de novas cidades. Acredito que eles estavam com um olhar para o futuro. Estes grandes empreendimentos de hoje procuram tambem ter alcançar esta visão. Parece que é o nosso futuro.
Marcos Antonio de Moura
Marcos Antonio de Moura disse: 30 julho 2013
Hoje, só estão valorizando e "desvalorizando" o valor real de mercado qdo a necessidade de vender.
Adonias
Adonias disse: 05 agosto 2013
Excelente o artigo!!! Parabéns!!
Flávio Lopes da Costa.
Flávio Lopes da Costa. disse: 08 agosto 2013
Sr. Rubens Menin,

Apreciamos a sua menção em relação ao crescimento da taxa de urbanização, e
ressaltamos que é imprescindível uma analise critica deste gráfico e foco em
investimentos sustentáveis para solucionar estes índices. Nós da ANUCEC E
CARTÓRIO POSTAL, uma empresa que há 20 anos atua na área de logística de
documentos no Brasil e no Exterior, que por sua vez possui uma penetração
relativa no mercado imobiliário, estamos atentos a estas mudanças e nos
interessamos por estes debates nacionais, que com certeza transformaram em
idéias produtivas para o mercado que é promissor. Temos a expertise de atuar
junto aos Registros de Imóveis espalhados pelo país, com foco em reduzir a
burocracia e buscar meios facilitadores para ampliar esse mercado.

Flavio Lopes - Presidente da ANUCEC / CARTÓRIO POSTAL

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »